Diário da Manhã

Carnaval e arte

Incapaz de escrever com propriedade sobre o Carnaval trago um presente às pessoas cujas cabeças não reconhecem o Carnaval como manifestação artística. Trata-se de um texto precioso de Tania Du Bois, que consta do livro Arte em Movimento (Projeto Passo Fundo, página 32).

“O carnaval ilumina um dos momentos mais artísticos da história brasileira. É a forma de arte que mostra, no estilo de cada um, a ação que se faz presente: músicas, danças, fantasias e máscaras. Segundo Leminski, “O carnaval passa / guardada na mala / a tua meia máscara.”

Na tradição, busca na sociedade o equilíbrio na “linguagem” impressionista: a vontade de desbravar a quebra da rotina e de se divertir com amigos. Daí a possibilidade de ocorrer envolvimentos dos quais é impossível distinguir a linha divisória entre o sonho – a fantasia – e o real, porque o carnaval é o espaço inquietantemente maleável, que a sensação é de instabilidade emocional temporária. Como Cena de Carnaval de Olinda, de Nilto Maciel no livro Contos Reunidos, Vol. II.

No carnaval, a aproximação das pessoas é característica revelada em atitudes e entusiasmo, com liberdade de gestos e palavras, pois oportuniza manifestações concretas de expressão do homem, que variam entre a comédia e a tragédia. O retrato da livre convivência entre os foliões, onde risos são transformados em humor, ironia, liberdade e fantasia; em outras palavras, realidade viva e vivida!

A visão carnavalesca de Maria dos Prazeres Gomes, “implica em conceber ao mundo como espetáculo sem palco e sem separação entre atores e espectadores, espetáculo do qual todos participam ativamente... as leis, as proibições e restrições, os horários e as hierarquias que normalmente condicionam a vida cotidiana deixam de vigorar.”

Pergunto como o carnaval se dá na poesia. Há unidade entre arte, carnaval e vida, bem como a releitura da poesia que vem acompanhada no retrato de provocações e entusiasmo. O genial é que os escritores, com suas expressões, sugerem a força sonora da palavra em movimento, como se quisessem classificar o carnaval e, ainda, desempenhar a função cultural, que se torna relevante ao descrever a alegria e o prazer em participar das festas carnavalescas; o riso solto e descontraído, a paixão e os momentos em que as pessoas expõem seus extremos.

O carnaval se dá na poesia para representar e expressar as liberdades carnavalescas. Os poetas criam palavras com força transformadora, para revelar o carnaval como espetáculo da realidade, com imagens sui generis, como Antônio Olinto, “ ... Carnaval outra vez, gritos no mês // ... Ao carnaval em sístole outra vez, / Outra face, outra mão, outra lhanura // ... Os ímpetos do ser. Vejo a passagem / de tudo nesta porta, passa imagem, / Passam máscaras sós, passam nudezas, / Que outra vez a passagem se faz ato... “; Álvaro Moreira, “veio cantando, veio dançando. / Ninguém olhou, ninguém ouviu. / E todo mundo ficou dançando, ficou cantando: / - Carnaval chegou! / Carnaval taí... “; e em IGdeOL, Neste Carnaval duradouro / investirei nas folias de Momo / para soltar o meu eu verdadeiro. // Uma máscara cobre a minha face / disfarce do que não sou / coragem para fazer o que sou... “ “

Está aí meu presente, para que comemoremos a vida, com arte, com alegria, com entusiasmo artísticos. Bom Carnaval!

Comentários

Galerias de Fotos

Anuncie Aqui

Horários de Voos

Vôo Empresa Horários Destino (s) Frequência
AD-5167 Azul / Trip 06:55:00 Campinas Sextas
AD-5165 Azul / Trip 07:00:00 Campinas segunda a quinta e sábado
AD-5139 Azul / Trip 12:40:00 Campinas domingos às sextas

Baixe o Aplicativo do Jornal

Matriz

Curta o Diário

(54)3316-4800Passo Fundo

(54)3329-9666Carazinho

  • Passo Fundo: (54) 9905-7864

    Carazinho: (54) 9959-5027