Diário da Manhã

Baderna, falta de respeito!

Cada geração de adolescentes inventa suas travessuras, suas transgressões. A minha fazia das suas também. Tive amigas e amigos que passaram batidos pelos tabus tão comuns nos meus verdes anos, mas eles não eram a regra. A pudicícia, fingida ou alimentada pelo medo das más línguas, mantinha a juventude presa à moral e aos costumes da época. A negação da sexualidade de crianças e adolescentes era a tônica que norteava a religião, o estado e a família.

Tornamo-nos pais que, rebeldes, decidimos inverter as regras. Conversamos, lemos, frequentamos consultórios de psicólogos, desnudamo-nos de tabus, revimos preconceitos, abrimos novos caminhos, respaldados na ciência e na ética. “Os outros”, aqueles das más línguas nós relativizamos quase totalmente, embora existissem. Reconhecemos os filhos como dotados de sexualidade, chocamo-nos com atitudes exageradas, com as bebidas e as drogas que, sabíamos, muitos usavam em escala crescente. Havia uma maioria que trabalhava e estudava com afinco, o que os separou dos playboys inconsequentes e desocupados. Esses promoviam baderna, desrespeitavam a sociedade com seus carros barulhentos, faziam rachas, afrontavam o que considerávamos aceitável.

Os pais como eu, já velhos, olham para trás e veem que seus filhos fizeram suas escolhas sem que exercêssemos uma patrulha cerrada, constatam ser uma geração limítrofe. Quebramos paradigmas e elegemos a liberdade e a ética como parâmetros para a criação dos filhos. Erramos e acertamos, mas, sobretudo, assumimos o papel de educadores ao invés de repressores. Talvez tenhamos exagerado um pouco nessa transição. Talvez tenhamos caído de certa forma na permissividade, embora fôssemos capazes de rever conceitos ultrapassados. Palmas para nós! Salve a geração de pais e educadores que conseguiu trazer até aqui, feministas (homens e mulheres), contestadores políticos capazes de defender posições, mesmo que não agradem, defensores do direito de viver como se quiser. São “indiferentes às diferenças” expressão cunhada por um amigo querido e que retrata o espírito da época.

E assim vamos caminhando rumo a cada vez mais humanização. Estamos melhorando! Não dá pra frear a trajetória da humanidade na luta pelos direitos humanos, direitos dos animais, pelo direito a liberdade de escolhas. Todavia sofremos alguns retrocessos aqui e ali. Refiro-me a um vídeo cujo conteúdo está sendo exibido e que assisti veiculado na Câmara de Vereadores e que mereceu protestos veementes por parte de muitos vereadores.

Trata-se do flagrante da atuação de uma turba bêbada, descontrolada, que simulava práticas sexuais em cima de carros. A ideia que temos ao assistirmos as cenas é de uma selvageria brutal. Ali não há nada de ético, de respeito pelo outro, de atitude civilizada. O respeito ao outro é uma bandeira civilizatória. Naquele lugar do vídeo, filmado de madrugada, no centro, “o outro” são as crianças, os velhos, os trabalhadores, os moradores. A falta de pudor em afrontar os valores mais elementares torna as cenas exibida a negação do que buscamos com tanta luta por gerações.

Estou decepcionada com o que vi. Estou chocada pela coragem de alguns de subverter o que de mais caro conquistamos, que é o direito a viver com qualidade. Estou convicta de que não adianta criar leis para combater a baderna enquanto houver pais incapazes de demonstrar aos filhos que, antes de exercerem seus direitos, vejam e respeitem os direitos dos outros. Não há desculpa para a selvageria, não há desculpa para a barbárie.

Fomos capazes de rever muita coisa, mas isso que vimos extrapola, em muito, o que reaprendemos, reavaliamos e conquistamos com tanta luta. Até aí nossos bois não puxam, pelo menos os meus.

Comentários

Galerias de Fotos

Anuncie Aqui

Horários de Voos

Vôo Empresa Horários Destino (s) Frequência
AD-5167 Azul / Trip 06:55:00 Campinas Sextas
AD-5165 Azul / Trip 07:00:00 Campinas segunda a quinta e sábado
AD-5139 Azul / Trip 12:40:00 Campinas domingos às sextas
O6-6179 Avianca 15:10:00 São Paulo domingos às sextas

Baixe o Aplicativo do Jornal

Matriz

Curta o Diário

(54)3316-4800Passo Fundo

(54)3329-9666Carazinho

  • Passo Fundo: (54) 9905-7864

    Carazinho: (54) 9959-5027