A segunda chance para primatas e aves

Primaves completa quinze anos de acolhimento a animais silvestres que passaram por maus-tratos ou foram criados em cativeiro

Foto: Alexandro Wiroski/DM

Compartilhe

Há quinze anos, um aluno inspirado no trabalho desenvolvido por uma professora da Universidade de Passo Fundo (UPF) fundou o Centro de Acolhimento de Primatas e Aves (Primaves), localizado na Vila do Distrito de Bela Vista. O biólogo e gestor do criadouro, Luizandro Ferrari, contou com o apoio da professora, Thaís Leiroz Codenotti, e seu marido, Nestore Codenotti, para construir um espaço de refúgio para animais silvestres retirados do seu hábitat e que passaram por maus-tratos pela ação do homem.

A propriedade de mais de 22 mil metros quadrados em que o criadouro está instalado foi doada pela família de Luizandro. Hoje, com mais de 200 animais acolhidos, entre primatas e aves, o centro conservacionista abriga animais que foram apreendidos pela polícia ou encaminhados pelo Ibama, muitos feridos, devido a agressões sofridas em cativeiros clandestinos. “Queremos preservar as espécies e os indivíduos que moram aqui. Eles não viveriam na natureza em razão do seu passado. Alguns desses animais chegam tão machucados e desnutridos que, mesmo com o tratamento intensivo, não resistem. Aqui se torna sua última oportunidade e seu lar definitivo”, relata ele.

Quem visita o Primaves se encanta com sua beleza natural e o clima aconchegante da propriedade localizada há 20 quilômetros do Centro de Passo Fundo. Apesar dos animais terem sido abandonados ou terem passado por maus-tratos, eles roubam sorrisos dos seus visitantes. O refúgio conta com bugios, macaco-preto, saguis, além de aves como araras, papagaios, periquitos, tucanos, entre outros. Ferrari, contudo, destaca que o lugar desses animais é a natureza, mas afirma que muitos deles não têm condições de voltar para seu habitat natural em função de não conseguirem sobreviver. “Nós estamos melhorando a estrutura para receber melhor nossos visitantes, possibilitando um passeio divertido para as famílias. As visitações são abertas ao público todos os sábados das 13h30 às 17h30. O valor cobrado é revertido para manutenção do criadouro”, conta Luizandro.

O Secretário do Meio Ambiente de Passo Fundo, Rubens Astolfi salienta a importância do criadouro para a cidade e a região por acolher animais silvestres que passavam por maus-tratos, muitas vezes chegando até lá desnutridos. “A entidade é uma das raras que fazem este atendimento às aves e primatas no país. Além disso, eles oferecem que a população conheça o espaço contribuindo também para educação ambiental dos visitantes e políticas públicas da cidade”, fala.

Vídeo

A equipe do Grupo Diário da Manhã esteve essa semana no Primaves, onde realizou a captura de imagens e produziu um vídeo do local:

Parcerias para custear a entidade

Para manter o projeto, que gasta ao menos R$ 20 mil ao mês, foi criada a Associação para a Conservação da Vida Silvestre (Convidas), que recebe ajuda de pessoas e empresas para sustentar o centro. A UPF, através do Hospital Veterinário, e a Imed, oferecem atendimentos aos animais por meio de parceria firmada. Além disso, foi criado o projeto Primata, o qual visa a comercialização de produtos personalizados, tendo a opção de comprar no Primaves ou pelo site.

A Convidas também participa da campanha da Nota Fiscal Gaúcha, sendo possível escolher o criadouro entre as entidades de proteção animal na região de Passo Fundo. Depois é só inserir o CPF nas notas e nos cupons fiscais na hora das compras. Ainda eles também contam com o apoio de empresas privadas, pessoas físicas e da Prefeitura Municipal através de convênio.

O Primaves oferece também a opção da população “apadrinhar” um dos animais do criadouro, sendo visto com uma forma de financiamento coletivo. “Quem deseja adotar um afilhado deve escolher um deles pelo próprio padrinho, ou em visita ao Primaves ou entre as fotografias encontradas no site ou no facebook do Convidas”, explica.

Equipe

Vários funcionários contribuem para o funcionamento do Convidas. São 12 bolsistas da UPF, que realizam um trabalho manual com os animais. Também conta com biólogo, cozinheira, veterinário e nutricionista.

Almoço beneficente

No dia 19 de agosto, a Convidas realiza o tradicional almoço no Salão Comunitário da Vila do Distrito de Bela Vista, servido pela equipe do Sipriani, além de exibição do grupo de Danças Folclóricas da UPF e visitação ao Primaves na parte da tarde. O ingresso custa R$ 45,0 e pode ser adquirido na Agropecuária Rodeio, Casa de Carnes Sipriani, Cerpet, Farpet, Girardi Autopeças, Certagro, Pet Store Mundo Aquático ou pelos telefones 3313-6936 e 99649-0110. A organização pede que os ingressos sejam adquiridos com antecedência.

O diretor executivo, Nestore Codenotti, explica que o objetivo do almoço é mostrar à sociedade a importância do refúgio. Segundo ele, é necessário mais parceiros para a manutenção do centro. “Nessa festa anual da Convidas fica o marco do primeiro acolhimento, da Catita, uma fêmea da espécie bugio-preto, há quinze anos. Nossa missão é a conservação, garantindo as melhores condições de vida possível, a animais que não teriam expectativa de sobrevivência por terem sido criados em cativeiros, por exemplo”, fala ele.

 

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®