Clima pode comprometer produtividade do trigo

Previsão de mais chuvas a partir da próxima semana acendem sinal de alerta no campo

Foto: Rodolfo Sgorla da Silva | Diário

Compartilhe

As chuvas registradas durante o mês de setembro e nos primeiros dias de outubro e a previsão de mais precipitações a partir da próxima semana acendem o sinal de alerta no campo. As lavouras de trigo em fase de enchimento de grãos estão sendo as mais prejudicadas pelo clima desfavorável, pois o cereal tem preferência por períodos mais ensolarados e temperaturas mais amenas.

Uma das adversidades que o trigo vem enfrentado é o surgimento de doenças, entre elas a giberela, por consequência colocando em risco a produtividade e qualidade do grão. O fungo pode atacar antes mesmo do florescimento, principalmente, se houver clima com temperaturas elevadas e chuvas que se prolonguem por mais de 48 horas.

Em função das condições climáticas, as primeiras projeções de produtividade começam a ser reavaliadas. De acordo com o técnico agrícola Juliano Steffens, uma primeira avaliação depois das chuvas aponta para o comprometimento de áreas, que dificilmente produzirão o esperado pelos agricultores no momento da formação das lavouras.

Quantificar perdas no momento não é possível, pois nem todas as lavouras apresentam problemas de doenças, Juliano Steffens

“Até as duas últimas geadas registradas nos dias 26 e 27 de agosto tudo indicava boa média de produtividade, pelas condições das lavouras que se desenvolviam dentro da normalidade e conforme os investimentos em tecnologia de plantio. Depois, vieram as chuvas de setembro e do começo deste mês. O indicativo do momento é negativo, pois dificilmente haverá produtividade acima das 60 sacas e com boa qualidade de grão em parte das áreas plantadas com trigo na região. Quantificar perdas no momento não é possível, pois nem todas as lavouras apresentam problemas de doenças”, salienta Steffens.

Outros fatores

No ano passado, os produtores de trigo tiveram problemas na produção por causa do clima, que reduziu a produtividade e baixou a qualidade do grão, que necessita de um pH mínimo de 78 para ter boa comercialização junto à indústria de farinhas. “A cultura do trigo é de risco, mas, mesmo assim, os produtores investem em tecnologia”, salienta o profissional.

Segundo ele, as primeiras lavouras formadas e com cultivares precoces começam a ser colhidas no final de outubro ou primeira semana de novembro. No mês de setembro, foram registradas médias na região de 160 milímetros de chuva e nos primeiros dias de outubro outros 70 milímetros em média.

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®