Diário da Manhã

Cultura

Uma cidade jornalizada

Autor: Redação Passo Fundo
Uma cidade jornalizada
Foto: Arquivo / UPF

Em 2017, a Jornada Nacional de Literatura está de volta e vai realizar ações para envolver toda a cidade num processo de jornalização

Fortalecido por uma demanda vinda da própria sociedade, o termo jornalização já era utilizado pela comissão organizadora da Jornada Nacional de Literatura, uma promoção da Universidade de Passo Fundo e da Prefeitura Municipal de Passo Fundo. Substantivado para a 16ª edição, que acontecerá entre os dias 2 a 6 de outubro de 2017, o termo ganha forma e vai mobilizar toda a cidade em ações para aproximar a festa da literatura do dia a dia da comunidade.

Segundo o professor Dr. Miguel Rettenmaier, que integra a coordenação do evento, pesquisas internas e externas foram realizadas, auxiliando o grupo a chegar à conclusão de que as pessoas gostariam de viver de forma mais intensa e próxima as atividades da Jornada. “De certa forma, a cidade queria, como elemento geoposicionado,  incluir, em si,  as atividades da Jornada. Em outras palavras, a jornalização implica o desenho de não fazer a cidade receber um evento, mas tornar-se também palco para as diferentes plateias, deixando de ser um entorno para ser um dos centros, ampliando a grande ideia que foi e é a dos Festerês Literários, realizados já há alguns anos”, destaca, lembrando que o termo já tinha um uso informal entre os integrantes da equipe de coordenação.

Atividades para unir a comunidade
De acordo com Rettenmaier, não existe um conceito fechado sobre a palavra jornalização. O que se pretende, na organização da programação, é ouvir a comunidade e estar perto dela. Nesse sentido, dois projetos já estão definidos: o Festerê Literário e os Projetos Transversais: rotas leitoras.

Os  Festerês Literários têm como objetivo a preparação para a movimentação cultural, com atrações destinadas a crianças e adultos. Eles contribuem para o alcance dos objetivos das Jornadas: formar leitores literários, multimidiais e sensíveis às diversas manifestações artísticas e constituir, também, plateias preparadas para apreciar as diferentes linguagens, integrando apresentações musicais e teatrais, entre outros.

Além disso, a programação contará com a atividade Livros na mesa: leituras boêmias, composta por debates e discussões abertas em bares da cidade e espaços culturais no período da Jornada, sempre entre 22h e 24h. Depois dos debates, haverá shows com músicos locais.

Quem se deixar envolver pela jornalização também poderá participar do Caminho das artes. A ideia, segundo o professor, é “envelopar” um quarteirão na cidade, em uma atividade que tem início às 21h e se estende até aproximadamente a 1h da madrugada. Convidados, escritores e artistas  circularão por esse espaço, aproximando-se dos leitores. Haverá decoração especial, com fragmentos de textos literários.

Uma cidade leitora de fato
Na opinião de Rettenmaier, a Jornada pertence aos leitores, sejam os que são residentes da cidade, sejam os que viajam até aqui para participar da programação. Assim, a ideia de constituir a cidade como efetivo espaço da Jornada é uma forma de ampliar esse pertencimento. “Temos a preocupação de fazer da cidade um espaço de leitura em um duplo e profundo sentido”, disse.

O professor explica que a ideia é motivar as pessoas a lerem a cidade, o que ela apresenta e como ela se apresenta em diferentes semânticas. Para ele, a cidade é um espaço feito em camadas, feito de limites e de movimentos dinâmicos. Em sua opinião, ler conscientemente a cidade significa ler a sociedade e a história em potência e atualização.  Por outro lado, a ideia da comissão é também fazer com que as pessoas leiam “na” cidade. Isso significa fazer dos espaços públicos ambientes nos quais as pessoas leiam, conversem, debatam, dialoguem. “As ruas e avenidas não podem ser restritas a meras linhas de trânsito, entre a casa e o trabalho, entre distintos  pontos privados de existência e coexistência. Devem ser espaços também de alguma permanência. Se pensarmos que a cidade se veste de formas diferentes em momentos diferentes, não podemos esquecer que é função cidadã das pessoas vestirem a cidade com a sua presença, com se fossemos nós, os leitores, signos de uma semântica permanente de leitura”, pontua.

Comentários

Galerias de Fotos

Anuncie Aqui

Horários de Voos

Vôo Empresa Horários Destino (s) Frequência
AD-5167 Azul / Trip 06:55:00 Campinas Sextas
AD-5165 Azul / Trip 07:00:00 Campinas segunda a quinta e sábado
AD-5139 Azul / Trip 12:40:00 Campinas domingos às sextas
O6-6179 Avianca 15:10:00 São Paulo domingos às sextas

Baixe o Aplicativo do Jornal

Matriz

Curta o Diário

(54)3316-4800Passo Fundo

(54)3329-9666Carazinho

  • Passo Fundo: (54) 9905-7864

    Carazinho: (54) 9959-5027