Atendimento a acidentes pelo Samu aumenta 11%

Histórico de ocorrências de 2018 também aponta para a manutenção de um alto índice de assistência a embriagados

Foto: Adriano Dal Chiavon | Diário

Por

Compartilhe

por ADRIANO DAL CHIAVON

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Carazinho registrou uma leve queda no total de ocorrências atendidas em 2018, no comparativo com 2017. No ano passado, foram 1.971 socorros realizados pela equipe, ante 1.980 em 2017.

Conforme os dados divulgados pelo coordenador do Samu carazinhense, Cleverson Metzdorf, entre os quase dois mil atendimentos de 2018, a maioria, 61% das ocorrências, foram clínicas. Nesse ponto, de acordo com enfermeiro, o ano passado registrou um leve aumento dos casos, passando de 1.116 para 1.195 casos clínicos.

No segundo lugar do total de ocorrências atendidas pelo Samu de Carazinho em 2018 estão os acidentes de trânsito, os quais tiveram um aumento de 11%, passando de 534 em 2017 para 594 no ano passado. Ainda em 2018 o Samu registrou reduções em ocorrências de feridos por arma branca. Os feridos por esse tipo de artefato em 2018 foram 13, queda de 52% ante os 27 atendimentos realizados em 2017.

Atendimentos a embriagados segue em alta

Conforme o coordenador do Samu de Carazinho, entre os casos clínicos atendidos em 2018 destacaram-se socorros motivados por desmaios, pressão alta, hipoglicemia, dificuldade de respiração, entre outros problemas de saúde. Além disso, os atendimentos a embriagados foram outro tipo de ocorrência que teve alta incidência na cidade, seguindo os percentuais que vem sendo registrados nos últimos anos.

– Nós atendemos muitos embriagados em 2018, dos quais, uma boa parte, estavam caídos em via pública. Mas, também, atendemos pessoas que beberam demais dentro das próprias residências e acabaram passando mal – detalha. Em relação a 2017, no ano passado houve um crescimento significativo nesse tipo de atendimento, de acordo com o coordenador do Samu.

– Essas ocorrências se concentraram mais entre os meses de abril a setembro, muito em razão do clima. Por serem meses mais frios, as pessoas, para se aquecer, muitas vezes, acabam bebendo mais, especialmente entre aquelas que vivem nas praças. E isso é perigoso, pois elas estão mais suscetíveis a cair em via pública e serem atropeladas, como já tivemos casos de alcoolizados que estavam na rua e foram atingidos por veículos – revela Metzdorf. Os números específicos de atendimentos de embriagados ainda não haviam sido compilados até o fechamento desta edição.

Motociclistas envolvem-se mais em acidentes

Em relação aos acidentes de trânsito, na análise realizada pelo coordenador do Samu em Carazinho, destaca-se a grande quantidade de ocorrências envolvendo motociclistas. De acordo com ele, quedas de motocicletas e colisão entre carro e moto foram os principais tipos de ocorrências de trânsito registradas pelo Samu no ano passado.

– Os acidentes se concentraram mais dentro da cidade. Das pessoas envolvidas nessas ocorrências, a maioria teve escoriações leves, sendo poucos os casos com fraturas mais graves – cita Metzdorf, mas sem detalhar os números nesse âmbito. Para o coordenador do Samu de Carazinho, os principais motivadores para esse tipo de ocorrência são a desatenção, tanto de motociclistas quanto de condutores de carros, e a pressa ao trafegar.

Atenção e prevenção

Para tentar diminuir os números de ocorrências de trânsito, o coordenador do Samu destaca algumas ações realizadas pelo serviço. “Nós promovemos no início do ano passado algumas atividades buscando a conscientização das pessoas em relação aos cuidados no trânsito, pois é nas vias, sejam municipais, estaduais ou federais, os locais de maiores chances de ferimentos mais graves nas pessoas”, frisa.

– A gente sempre pede para que os motoristas tenham mais atenção e prudência. Muitas vezes a gente está com pressa, quer ir rápido, passar rápido, e isso, às vezes, custa muito. Então, o que temos de ter dentro da cidade é uma atenção, incluindo para com os pedestres, pois também temos índices de atropelamento no município – informa Metzdorf.

Por fim, o coordenador do Samu orienta a população em relação a problemas de saúde. “Nesse ponto, o que viemos observando é que as pessoas não estão se cuidando. Por exemplo, quem possui algum histórico de doença deixa terminar o remédio ou não procura atendimento médico quando sente alguma dor. As pessoas não podem deixar chegar o limite do suportável. Nós temos os postos de saúde, que realizam um bom atendimento no município, e que precisam ser buscados para prevenir e evitar esses problemas mais graves”, orienta.

Total ocorrências do Samu

2017

2018

Variação

1.980

1.971

– 9 (-0,4%)

Casos clínicos

2017

2018

Variação

1.116

1.195

+ 79 (7%)

Acidentes de trânsito

2017

2018

Variação

534

594

+ 60 (11%)

Ferimento por arma branca

2017

2018

Variação

27

13

-14 (-52%)

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®