Baixos estoques de sangue na região reforçam necessidade de doadores

Média de doações entre dezembro e fevereiro reduz em 25%, segundo o Hemopasso. Saiba os critérios para doar sangue e ajudar a salvar vidas

Foto: Ana Cláudia Capellari/Diário

Por

Compartilhe

ANA CLÁUDIA CAPELLARI      TAINÁ BINELO

Com a chegada do verão, em 21 de dezembro, além das altas temperaturas, os estoques de sangue nos hemocentros ficam mais baixos. Nessa época do ano, que se estende até meados de fevereiro, próximo ao carnaval, as doações baixam em 25%.

A gerente de qualidade do Hemocentro Regional de Passo Fundo (Hemopasso) Melina Rodrigues, explica que, atualmente, o estoque do Hemopasso pode ser considerado regular, mas ainda longe do ideal. O banco de sangue estadual atende 140 municípios e 40 hospitais.

“No período de férias e na metade do ano, quando há as vacinas da gripe, os estoques diminuem e reforçamos que agora é uma época onde ocorrem muitos acidentes e a amplia a demanda por sangue, as pessoas podem doar neste começo do ano antes de irem viajar, por exemplo.”

Para tanto, o Hemopasso flexibilizou o horário de atendimento, das 08h até às 14h30, sem fechar ao meio dia, para dar conta do fluxo de doadores. Além disso, agendamentos prévios para doação ao longo dia, após o horário estipulado, também serão feitas, juntamente a campanhas que ressaltem a importância do ato de doar.

Por mais que a tendência é a diminuição na frequência de doadores, tem gente que não dispensa o ato de solidariedade. Pensando em ajudar o próximo, o empresário Wellington Ricardo, de 38 anos, é doador de sangue regular há pelo menos 10 anos no Hemopasso e diz que a atitude deveria ser copiada por mais pessoas.

Demanda por plaqueta

O Hospital São Vicente de Paulo em Passo Fundo, um dos maiores do interior do RS, também dispõe de um serviço de hemoterapia. A médica hematologista responsável técnica pelo setor hemoterápico, Cristiane Rodrigues de Araújo, diz que a principal dificuldade do banco de sangue do hospital é a gestão do estoque das plaquetas, que duram apenas cinco dias.

“Estamos com diversos pacientes, da oncologia, de cirurgias cardíacas e entre outros procedimentos que demandam esse tipo de suporte hemoterápico”. A médica ainda salienta que, apesar de haver maior demanda de sangue dos tipos O+ e A+, das plaquetas é possível produzir todos os tipos sanguíneos.

Para deixar os estoques em situação estável, Cristiane conta que são desenvolvidos programas de captação anual.

“Nesses períodos mais críticos, como no caso de férias, a gente conta muito com convites de doadores que já doaram conosco, ‘nós’ ligamos para vir doar, com atendimento humanizado, temos também o programa ‘Parceiro Amigo’, em que empresas, clubes, são convidados a virem doar, ONGs e associações de outras cidades que se organizam para virem doar”.

Banco de sangue do HCC opera em limite de estoque

No limite de estoque, o banco de sangue do Hospital de Caridade de Carazinho (HCC) depende das doações feitas pelo Hemocentro Regional de Passo Fundo (Hemopasso). A enfermeira supervisora da Agência Transfusional da instituição de saúde, Mari Luciane Bernhard, aponta a necessidade ainda maior de doações em época de férias.

Pelo fato da agência existente em Carazinho não se tratar de um hemocentro, as pessoas que tiverem interesse em doar devem ir até o Hemopasso.

“As doações só podem ser feitas em um hemocentro, que no nosso caso pela região é o de Passo Fundo. Para aqueles que quiserem efetuar a doação, o ideal é que liguem agendando um horário, de segunda a sexta-feira”, diz. Carazinho, atualmente, não possui um ônibus disponível para o transporte de doadores.

“Sempre solicitamos mais as doações dos sangues negativos, A-, B-, O-. Constantemente, solicitamos que a população possuidora desses venha fazer a doação”, fala a enfermeira sobre os tipos sanguíneos. Ela lembra a população sobre a importância de doar sangue.

“A maior consequência de não doar é que daqui a pouco pode ter um familiar teu que venha a precisar de transfusão e nós não termos estoque para ajudá-lo. De repente eu não sou doadora, mas um familiar meu pode passar por uma situação como acidente, cirurgia de urgência ou até mesmo ferimento de arma de fogo e precise de uma transfusão em grande quantidade. Por toda essa questão, a gente tenta conscientizar a população”, finaliza.

Para doar sangue

  • Homens e mulheres de 18 a 75 anos; *Menores de idade, a partir dos 16 anos, devem estar acompanhados dos pais ou responsáveis e levar um documento, assinado e com firma reconhecida em cartório.
  • Pesar acima de 50 kg;
  • Estar alimentado e ter tido uma boa noite de sono.

Não podem ser doadores

  • Quem teve diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade;
  • Mulheres grávidas ou que estejam amamentando (até 1 ano de idade);
  • Pessoas que estão expostas à doenças transmissíveis pelo sangue (AIDS, hepatite, sífilis e doenças de chagas).

Para o dia da doação

  • Não é indicado ir doar sangue em jejum;
  • Não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores;
  • Evitar fumar por no mínimo 2 horas antes da doação;
  • Evitar comer alimentos gordurosos.

SERVIÇO

Hemocentro Regional de Passo Fundo – Hemopasso
Av. Sete de setembro, 1055.
Telefone: (54) 3311-1427
Horário de Atendimento: das 08h às 14h30, sem fechar ao meio dia.
Serviço de Hemoterapia do Hospital São Vicente de Paulo – Passo Fundo
Rua XV de novembro, 485.
Telefone: (54) 3316-4087
Horário de Atendimento: das 08 às 15h, sem fechar ao meio dia.

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®