Mães querem que escola mantenha atendimento

Com o planejamento para reconstrução da EMEI Criança Feliz, grupo garante não ter condições de levar os filhos para outros locais. Secretaria de Educação estuda possibilidade de oferecer transporte para outra instituição

Foto: Matheus Moraes | Diário

Compartilhe

No aguardo da construção do novo prédio da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Criança Feliz, um grupo de cerca de dez mães busca contato com a Prefeitura de Passo Fundo para demonstrar descontentamento quanto o atraso do início da nova obra e o receio de um possível fechamento das atividades na instituição enquanto não acontecer a recuperação do local.

Nessa quarta-feira (5), o grupo se deslocou até o gabinete do prefeito Luciano Azevedo, mas não conseguiu contato com o gestor municipal. Nesta quinta-feira, as mães tentarão uma reunião com o chefe do Executivo.

De acordo com as mães, a promessa pela construção da escola existe há anos, mas ainda não saiu do papel, mas o receio maior é que as atividades se encerrem na unidade até a inauguração da nova estrutura. Elas reclamam que não têm condições de levar seus filhos para outras escolas, caso ocorra o remanejo por parte da Secretaria de Educação.

“Nos reunimos com o prefeito uma vez para conversar e ele disse que haveria chances de fechamento para fazer uma nova escola. Só que no momento que começasse as obras, ele iria comunicar a comunidade. Desde abril é falado a mesma coisa e nada. Uma hora vai fechar, outra não mais. Falaram em remanejar crianças para outras escolas. Nós não queremos isso, porque as crianças já estão adaptadas, tem a convivência”, desabafa Marcela, mãe de uma das 50 crianças que estudam na única escola de madeira do Município.

Segundo Marla Martins, são quase 50 crianças que estão na fila de espera para ingressar na escola. Para ela, a demanda é evidente, por isso não quer que crianças sejam remanejadas para outros bairros quando a escola for reconstruída.

“Tem crianças da Annes, Petrópolis, Manoel Portela, Núcleo Ferroviário aqui. Tem muita demanda. Tem muita gente esperando para entrar. A escola não pode fechar, mesmo que seja para ser reconstruída. Queremos que se continue com a ideia de abrir uma nova escola, mas sem sair do nosso bairro. Muitas crianças não terão para onde ir”, declara a mãe.

“COM CRIANÇAS NA ESCOLA, A EMPRESA NÃO REALIZA A OBRA”, DIZ SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO

A insatisfação de algumas mães de estudantes da EMEI Criança Feliz é conhecida pela Secretaria Municipal de Educação. Segundo o setor, o projeto para a construção da nova escola no mesmo local já está pronto e contatos com a construtora já foram realizados. Além disso, a verba também já foi sinalizada para a escola, mas ainda não está nas contas do executivo.

De acordo com o secretário de Educação, Edemilson Brandão, não será possível realizar a obra com a presença de crianças no prédio.

“As mães querem que as crianças permaneçam lá. Mas com elas na escola, a empresa não realiza a obra. Não tem como trabalhar numa escola velha, de madeira, com crianças lá. Qualquer coisa que acontecer, será de nossa responsabilidade”, afirma.

Brandão declara, ainda, que a Prefeitura estuda disponibilizar transporte para escolas mais próximas, assim que a verba for disponibilizada e a obra iniciar.

“Nós colocamos como possibilidade transportar essas crianças numa van, que sai em frente da Criança Feliz, até a escola mais próxima. Não vamos dividir as crianças. Vamos levar todas juntas, como elas pedem. A discussão não pode se alongar, porque quanto mais demorar, mais perdemos correr risco de perder o recurso”, completa o secretário.

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®