Tiradentes: Alunos buscam disciplina, responsabilidade e formação intelectual superior

Reportagem conversou com dois alunos do colégio, que relatam suas experiências

Fotos: Vinicius Coimbra/Diário

Compartilhe

Alan Gustavo Weiler Gayger, de 17 anos, estuda desde 2017 no Colégio Tiradentes. O adolescente explica que um colega do oitavo ano havia falado sobre a instituição.

Alan Gustavo Weiler Gayger, aluno

Após pesquisar, descobriu que o colégio não era destinado apenas a quem queria seguir a carreira militar, mas sim adotava uma gestão militar, com valores militares aplicadas ao ensino.

Era o que o estudante buscava na época. “Eu vim para o Colégio Tiradentes porque queria estudar em uma escola que me ensinasse noções de disciplina, de organização e onde o estudo fosse mais puxado. Foi exatamente o que encontrei quando entrei. Eu quero um colégio mais difícil, que vai me prover uma formação intelectual superior”, afirma.

No período em que está na instituição, o aluno destaca que, com o desempenho, participou do Parlamento Jovem Brasileiro, realizado em Brasília, que tem como objetivo a simulação das atividades de um deputado federal.

Neste ano, três alunos do Tiradentes irão a São José dos Campos para participar da Jornada Espacial, onde conhecerão instituições de ciência e tecnologia de São Paulo. “É um lugar onde todos os alunos buscam a excelência, ir além. É por isso que ele tem resultados tão extraordinários, pelo esforço não só dos alunos, dos militares, dos professores”, afirma.

Quando questionado sobre a rotina de estudos, Alan Gustavo Weiler Gayger define como “extremamente puxado”. “Nós temos que nos esforçar muito, estudar muito, além de toda a questão das olimpíadas e do esforço para conseguir o alamar [uma peça utilizada no uniforme], você tem que conseguir uma determinada média escolar acima de 9 para poder conseguir ele”, explica.

Buscar a perfeição

Sofia de Lima Brunetto, aluna

Sofia de Lima Brunetto, de 16 anos, também está desde o ano passado no Tiradentes. Ela conheceu a instituição através de um amigo de Porto Alegre. A aluna passou no processo seletivo e foi morar sozinha em Passo Fundo.

Ela afirma que teve de se dedicar mais nos estudos. “Apesar de ir bem nas provas, eu não me esforçava como me esforço aqui. Temos um contato com pessoas de toda a região e tem um desenvolvimento intelectual mais culto, forte. Isso faz com que a gente se dedique mais e cresça como pessoa”, disse.

Sofia também destaca a participação no esporte, disciplina que mais gosta. Outro ponto destacado por alunos e professores da instituição é a concorrência interna entre alunos.

Há o incentivo e cobrança por bons resultados. E quando isso ocorre há também o reconhecimento. “Isso faz com que a gente busque a perfeição sempre. Não só no colégio, mas como pessoa”, afirma Sofia.

No Tiradentes, relata Sofia, os estudantes tratam os professores como orientadores para o estudo, ou seja, como uma pessoa que ajudará os adolescentes na parte intelectual.

O que se estuda em aula é apenas o básico, que deve ser aprimorado com o esforço individual. “Uma coisa que faz o colégio ser bom é que os alunos buscam muito conteúdo fora, conhecimentos que não são passados aqui dentro”, disse. A aluna pretende cursar arquitetura em uma universidade federal.

Vídeo

Reportagem especial: Tiradentes Passo Fundo

O que fez do Tiradentes de Passo Fundo o melhor colégio estadual do RS?Acompanhe nossa reportagem em vídeoReportagem: Vinicius Coimbra/Diário – Edição: Alexandro Wiroski/Diário

Publicado por Diário da Manhã Passo Fundo em Sexta, 16 de novembro de 2018

Leias as outras partes da reportagem especial:

O que fez do Tiradentes o melhor colégio estadual do RS 

“Aqui, falta de respeito não existe”, diz professora do Tiradentes

Ideia de que ensino e rotina militar não combinam é errada, afirma diretor do Tiradentes

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®