Venda de automóveis novos cresce e é destaque em 2018

Número de vendas é o maior em cinco anos. Concessionárias de revendas apontam aumento nas vendas à vista e disponibilidade de crédito mais confiável

Foto Caetano Barreto / Diário

Compartilhe

Utilizada como parâmetro para medir o comportamento do mercado financeiro, a venda de automóveis novos tem demonstrado sinais de retomada. Os números de 2018 são os mais animadores dos últimos anos.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, (Anfavea), divulgou que 2,33 milhões de veículos foram comercializados no ano passado. Isso representa um crescimento de 15% sobre os 2,02 milhões licenciados em 2017.

Outro dado animador é que o aumento é progressivo. Conforme dados divulgados pelo Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos no Estado do Rio Grande do Sul (Sincodiv) e Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), o mês de dezembro de 2018 apresentou crescimento de 5,22% nas vendas de veículos se comparado a novembro. Sazonalmente o final de ano é um bom mês em vendas para o setor.

Vale lembrar que outubro foi o melhor mês do ano em vendas de veículos com 18.963 unidades comercializadas, incluindo todos os segmentos.

A Sindicov comemora o resultado do ano passado “Se avaliarmos os últimos cinco anos, constatamos que 2018 foi melhor em vendas do que 2016 e 2017, quando foram vendidos 158.734 e 166.175, respectivamente. Porém o mercado ainda está longe dos patamares de anos como 2012 com 321.560 unidades comercializadas e 2013 com 323.116 negociadas”, indica o informativo.

“Também podemos creditar a melhora nas vendas no movimento positivo da economia. Quando olhamos o mercado de forma acumulada, contabilizamos quase 15% de crescimento para o setor como um todo”, aponta a nota do sindicato.

Rio Grande do Sul é destaque nas vendas

Ainda conforme a Fenabrave, o Rio Grande do Sul teve um desempenho superior à média nacional e ocupa a quinta colocação em vendas no ranking nacional atrás de São Paulo, Minas, Paraná e Rio de Janeiro. A participação do Estado nas vendas nacionais é de 5,2%.

Na comparação com as vendas nacionais, em relação a novembro, enquanto o Brasil apresentou queda de 3,36% entre dezembro e novembro o Rio Grande do Sul contabilizou alta de 5,22% do último mês para o penúltimo mês de 2018.

Comparando-se a dezembro do ano anterior houve um crescimento 3,26% no RS e no Brasil foi de 9,93% positivo. No acumulado do ano o crescimento gaúcho é de 14,41%, e a soma dos estados aumentou em 13,58%.

Nas revendas, o otimismo se repete.

“Foi um ano excepcional. A nossa marca, a nossa loja, cresceu 35% em relação à 2017. Para nós, foi surpreendente”, confirma Cristhian Medeiros do Amaral, consultor de vendas de uma revenda de Passo Fundo.

Para ele, o crescimento ocorreu em todas faixas de valores.

“Nossa marca tem um mix de clientes bem interessante. Hoje temos opções mais populares, que vieram suprir essa lacuna no catálogo. Mas mesmo assim a nossa linha mais refinada, com os valores mais altos da nossa tabela, vendeu super bem. Isso também aconteceu com os modelos médios nas versões mais completas”, explica.

Negociações facilitadas

Outro ponto positivo, conforme Amaral, foi o aumento das vendas sem a participação de financeiras.

“Normalmente, quando é um carro mais caro, a maioria paga à vista, ou financia uma pequena parte do valor com taxa zero. Já os populares, até por questões do recurso menor, é mais comum o financiamento. Esse ano, foi em torno de 60% e 40% à vista. Há uns 5 anos atrás, era muito maior o financiamento”.

O tipo de consumidor que paga a vista, segundo o consultor de vendas, costuma ter maior conhecimento do mercado.

“Quem tem dinheiro hoje para comprar um carro de alto valor, ele dificilmente vai se aventurar em se relacionar com um banco. A menos que ele consiga uma taxa extremamente atrativa para ele, senão ele não paga. Até as propostas de taxa zero, quem tem dinheiro sabe que vai mesmo assim pagar impostos, taxas administrativas, que vão custar um dinheiro a mais que ele não vai querer gastar”, aponta.

Amaral também indica que as vendas por financiamento também melhoraram, pois os clientes dessa faixa estão em uma situação financeira melhor.

“Os consumidores estão com um crédito melhor atualmente. Na nossa concessionária, no ano passado, pelo que lembro agora, apenas uns cinco cadastros foram reprovados, no máximo. A grande maioria aprova na hora. Eu preencho os dados, dou enter, e tá aprovado. Sempre alguma coisa vai para a análise, e outra reprova, mas ano passado isso aconteceu muito pouco. E para nós isso é excelente. É sinal de venda tranquila”, relata.

Leia grátis o jornal digital

Comentários
Diário da Manhã

Diário da Manhã - Todos os direitos reservados. All rights reserved ®